Buscar
  • letsgotoafricalets

100 dias para a Expedição Let’s go to Africa 2021: voluntários falam sobre expectativa e preparação

Hoje, 15 de setembro, faltam 100 dias para a equipe do Let’s go to Africa 2021 embarcar na expedição rumo a Burkina Faso. Para marcar a data, dois dos 16 voluntários falaram sobre como está a expectativa e a preparação para a tão aguardada viagem missionária.

A psicóloga Gabrielly Pereira, de 23 anos, recebeu sua chamada para missões ao ser confrontada com a pergunta “Você vai?”. Respondendo “Sim, eu vou!”, hoje, ela se prepara para sua primeira expedição humanitária na África.

“A preparação tem sido um gigantesco processo na minha vida”, conta Gabrielly. “A minha ficha ainda não caiu. É um sentimento indescritível. A África é um lugar que eu desejei muito ir. Deus faz muito além do que pedimos ou sequer imaginamos. Estar indo para Burkina Faso é uma prova disso”,

Em solo africano, a psicóloga vai atuar no projeto de alfabetização de crianças e na ativação ministerial de jovens. Para levantar o valor da viagem, de 19 mil reais, a jovem está vendendo panquecas e também conta com a doação de amigos. “Confiando que Deus irá prover”, declarou.

O assessor jurídico Leonardo Venturato, de 25 anos, também integra a equipe voluntária de 2021 e está com grandes expectativas para sua primeira expedição fora do Brasil. “Eu creio que grandes coisas o Senhor irá fazer em Burkina. Tenho sonhado muito com isso”, disse.

Formado pela JOCUM e pelo Acampamento Underground da Missão Portas Abertas, o missionário está bem preparado para atuar no contexto do mundo muçulmano e da Igreja perseguida.

Para Leonardo, o maior desafio na jornada de preparação foi levantar o valor da viagem. Mas, o jovem teve a ideia de criar camisetas e canecas personalizadas para financiar a missão e contou com o apoio de sua igreja e de familiares.

Depois de terem sido aprovados na seleção do projeto, os voluntários vêm passando por uma capacitação desde março, através de treinamentos da Escola de Missão Let’s go School com encontros on-line de orientação e preparação espiritual.

A equipe, formada por jovens missionários do Rio Grande do Sul, Minas Gerais, Rio de Janeiro e São Paulo, aprendeu sobre a cultura de Burkina Faso, o mundo muçulmano e o trabalho humanitário desenvolvido pela CACEMAR há 20 anos no país.

Os voluntários também estão organizando os projetos sociais que desenvolverão com os garibous, meninos escravizados pela cultura islâmica, e mulheres em situação de extrema pobreza, durante um mês na base da ONG CACEMAR (Centro de Acolhimento Casa Esperança e Missão Refúgio) em Burkina.

Agora, a equipe está na etapa final da preparação, onde arrecadam as doações que serão ofertadas ao povo burquinense. Neste ano, os missionários levarão materiais pedagógicos de alfabetização, equipamentos esportivos e tendas para montar o ambulatório de saúde.

Para o diretor da CACEMAR, Jefferson da Silva, a equipe de voluntários de 2021 com profissionais de áreas específicas, é resposta de oração da ONG, que pedia a Deus pessoas vocacionadas para atuarem em setores de necessidade no país africano.

“Vamos retornar a Burkina com um grupo muito bom, atendendo a área de saúde e outras também. É a mão de Deus colocando pessoas com grande potencial no projeto”, afirmou.

A equipe embarca para Burkina Faso no dia 24 de dezembro. Continue acompanhando a expedição de 2021 pelas redes sociais da CACEMAR.




Sobre o Let’s go to Africa

O projeto “Let’s to go Africa” já está em sua terceira edição e desenvolve diversos projetos humanitários na base da ONG CACEMAR em Burkina Faso.

Os voluntários da expedição terão a oportunidade de contribuir com a missão, que já atua na África há mais de 20 anos, trabalhando em ações sociais como: Projeto Ballet, Projeto Esporte, Projeto Saúde, Oficinas de culinária e Projeto Alfabetização. Os participantes do voluntariado também atuarão em aldeias de Burkina e na igreja local.

Burkina Faso é um país de maioria muçulmana e, apesar de ser uma nação democrática e de sua constituição garantir liberdade religiosa, a população islâmica tem se radicalizado e grupos extremistas têm ganhado força no país. Nesse contexto, Burkina Faso está na 32° posição na Lista de países perseguidos do Portas Abertas de 2020, classificando o país na janela 10X40, a região no mundo mais fechada para o evangelho.


15 visualizações0 comentário